quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Criminosos podem ser identificados pela córnea de suas vítimas


Estudo sugere que ao dar um zoom no olho de um retratado, pode-se revelar rostos que não aparecem nas fotos


Do FL
Fotos de Divulgação

Um estudo realizado pelos psicólogos ingleses Rob Jenkins (Universidade de York) e Christine Kerr (Universidade de Glasgow), sugere que pessoas podem ser identificadas em fotografias através das córneas dos fotografados (leia artigo na integra).

O princípio é simples, porém, pode ajudar muito em investigações criminais. Ao tirar uma foto (sem ser um Selfie) o fotógrafo, e outras pessoas que estiverem em volta, podem não sair nas fotografias, mas, suas imagens ficam registradas nas córneas dos fotografados, como numa espécie de espelho.


Você pode querer ver também:
Dicas para fotografar bem melhor
Dicas para fotografar a lua
Dicas para fazer fotometria
Fotógrafos famosos

Daí é só dar um zoom na foto, bem no olho, e a verdade vem à tona. O problema é que a córnea humana representa cerca de 0,5% do rosto em um todo, o que, na hora da aproximação digital, acaba perdendo muita qualidade em pixel.

No experimento, Jenkins e Kerr usaram seis voluntários, um seria fotografado, outro tiraria a foto e os outros quatro ficariam em torno da cena, como mostra o esquema na figura abaixo.


Eles usaram um estúdio e uma potente câmera Hasselblad H2D de 39 megapixel.

Como já dissemos, o estudo foi realizado para uso forense e seria aplicado da seguinte forma: Fotos de crianças abusadas sexualmente são diariamente postadas na internet, com o avanço desta nova técnica, será possível identificar o autor da fotografia que, claro, nunca aparece nas fotos.  

Poderá, também, ser usada em caso de sequestros, quando a vítima é exposta em fotos para mobilizar parentes a arrumarem o dinheiro rápido, a polícia usará a tecnologia para identificar o local do cativeiro e os sequestradores.


Ok, eu também me perguntei e sei que você está se perguntando: “mas estes bandidos também usam estúdio e câmeras potentes como uma Hasselblad de 39 megapixel?”. Não, meu caro leitor, mas com o contínuo avanço tecnológico na edição de imagens, acredito que em pouco tempo os cientistas forenses serão capazes de extrair esta imagem a partir de qualquer câmera.


A fotografia têm contribuído muito na solução de crimes nos tempos modernos, este estudo abre ainda mais o leque do uso de nossa arte. Na verdade, estamos torcendo para que a tecnologia avance que que a aplicação desta técnica, na prática, aconteça o mais rápido possível. 
Google