sexta-feira, 10 de maio de 2013

“Virada Cultural Invisível”: Um ensaio foto-jornalístico



Em 2009 e 2010 fui na virada cultural para cobrir os shows, acabei descobrindo duas dimensões, vivendo lado a lado, e ignorando a coexistência.



Por Diego Calvo
Fotos Diego Calvo

Não sei se o “Virada Cultural Invisível” é um ensaio, talvez até seja, mas seria um ensaio com um misto muito forte de jornalismo.

Nos dois anos que me dediquei a este trabalho, não usei flash e não pedi para ninguém posar. Não trabalhei nenhuma luz além das que os postes do centro velho da cidade de São Paulo me proporcionavam.

Por isso, peço perdão pelos ruídos da foto. Já o amarelado é proposital, pois esta é a cor do centro a noite.

A ideia surgiu quando, em 2009, fui chamado para cobrir alguns shows da Virada Cultural. Meu posto era no Largo São Bento e o QG da agência, e da imprensa no geral, era na Galeria Olido. Portanto, a cada show, eu andava até lá.

Bom, no caminho, percebi que os mendigos não tinham sumido, estavam ali, sendo ignorados pelos passos apressados dos que não queriam perder nenhuma atração.

Em contra partida, os mendigos também ignoravam, de certa forma, a multidão que dominava o centro naquela madrugada de fim de semana.

O que quero dizer é que eram dois mundos distintos vivendo no mesmo espaço, no mesmo tempo, mas não na mesma dimensão!











Google