quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Três Pilares: 2º - Velocidade



Neste artigo vamos explicar o que é e como usar a velocidade do obturador. Na fotometria, este elemento é muito importante para obter efeitos de movimento e paralisar motivos em deslocamento rápido.

Por Diego Calvo
Fotos de Diego Calvo

Em um artigo anterior, tratamos sobre os três pilares da fotometria na fotografia, são eles: abertura, velocidade e Iso. Já falamos sobre a abertura, agora trataremos de outro pilar.

Para isto, precisamos saber o que é o obturador (ou cortina). Esta é a peça que fica de frente ao filme (nas máquinas de fotografia digital o filme foi substituído pelos sensores fotossensíveis CCD ou CMOS) e serve para impedir que a luz passe.

Quando você aperta o botão para tirar o retrato, o obturador se abre deixando a luz passar e, logo em seguida, se fecha, gravando a imagem no filme. O tempo que o obturador fica aberto é o que chamamos velocidade do obturador, ou apenas velocidade.

Quanto maior é o tempo que ele fica aberto, mais luz entra no equipamento, tornando a foto mais clara. No entanto, ao ficar muito tempo aberto, você correrá o risco de ter uma foto mais tremida ou o objeto sair borrado.

Por exemplo: digamos que esteja fotografando um carro em movimento. Com a câmera parada, você coloca uma velocidade baixa, que mantenha o obturador aberto por longo tempo. Ao apertar o botão, a cortina ficará aberta, enquanto o carro continua em alta velocidade, isso fará com que a câmera capture um borrão.

Ainda está difícil de entender? Bom, pegue uma lanterna e a movimente com bastante velocidade, perceba que não verá a lanterna, mas um risco de luz. Agora pare de balançar e verá a lanterna perfeitamente. É mais ou menos isso o que acontece.
f/2,8 -  1/8000  -  ISO640

Dando seguimento, quanto maior a velocidade, menos luz entra, mas, em contrapartida, a imagem será mais estática e você conseguirá congelar o motivo.

A velocidade é medida em 1/x, onde 1 representa “um segundo” (1s) e ‘x’ representa o quanto este 1s será dividido. Sendo assim, 1/125 é um segundo dividido 125 vezes, ou 0,008 segundos. Muito rápido né? Mas esta velocidade chega à 1/8000, ou 0,000125 segundos, quase a velocidade do som.
Imagem 1
f/4 - 1/1250 - ISO160
Em sua câmera (procure no manual do equipamento) você tem a opção de regular em velocidades pré determinadas, que geralmente será resumida de 1/125, para apenas /125, e para velocidades acima de 1 segundo, por exemplo 3 segundos, vira 3”.

Terá também a opção de fotografar em ‘B’ (de buld), onde o obturador fica aberto enquanto seu dedo estiver apertando o botão.


Resumindo, quanto maior a velocidade, menos luz entra na “câmara” (local que fica o filme/CCD/CMOS) e menor é chance de a imagem sair tremida. No sentido oposto, quanto menor a velocidade, mais luz entra, mas a imagem poderá sair tremida.

Ao regular a velocidade, você terá de compensar a falta, ou o excesso de luz, com os outro dois pilares da fotometria, a abertura e o Iso.

A pergunta que deve estar se fazendo é: “porque temos de saber regular a velocidade?” Para responder, nada melhor que ver esta teoria aplicada na prática, os resultados poderão ser:
      
       A)       Com uma velocidade alta, congelei a dançarina que saltava (imagem 1, canto direito acima)
      
       B)       Movimentando a câmera, acompanhando o corredor, coloquei uma baixa velocidade e consegui dar a impressão de movimento (imagem 2).
Imagem 2 --  f/16  -  1/60  -  ISO160


       C)      Na imagem 3, podemos ver a diferença em se abrir e fechar o obturador.
Imagem 3


Espero que tenha gostado. Qualquer dúvida, deixe um comentário. Agora saia do computador e vá testar o que aprendeu.   
Google